sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Doenças mais comuns em canários


Um canário pode apresentar sintomas de doença facilmente identificáveis: encolhido, com a cabeça debaixo da asa, dormente durante a maior parte do dia, comendo pouco ou nada, não canta e está apático, penas emaranhadas e transpira, sacudindo o corpo por espasmos e calafrios provocados pela febre.

Quando isso acontece, devemos isolá-lo imediatamente e proceder ao seu tratamento, evitando que a doença contagie todo o plantel, causando graves e preciosas perdas.

Doenças mais comuns em canários:

Ácaros: Geralmente aparecem ao adquirir novas aves ou em aviários livres devido ao contato com aves silvestres. As aves afetadas com ácaros ficam inquietas, mexem nas penas e mostram uma debilidade geral.
Tratamento: utilização de inseticidas próprios para aves. Manter a ave durante alguns dias numa gaiola limpa e desinfetada. Pulverizar a gaiola ou os aviários com inseticidas, deixar atuar durante alguns dias e lavar tudo.

Anemia: Ave com bico e pele muito pálidos e descorados, tem falta de apetite e apresenta emagrecimento.
Causas: falta de glóbulos vermelhos provocada por uma deficiente alimentação, carências de vitaminas, por contágio de algum parasita, ou por falta de espaço.
Tratamento: acrescentar à dieta papa de ovo, verduras e um complexo vitamínico.

Artrite: Inchaço nas articulações, particularmente nas asas e patas, estando constantemente no fundo da gaiola.
Causas: hereditariedade, aviário úmido ou deficiente alimentação.
Tratamento: lavar as zonas afetadas com um desinfetante próprio diluído em água e aplicar uma pomada adequada. Fornecer verduras.

Asma: Dificuldade respiratória, muito cansaço com pouco esforço, bebe muita água e falta progressiva do apetite.
Causas: corrente de ar, higiene das instalações, sementes de fraca qualidade e canaril muito úmido.
Tratamento: fármaco adequado, espaço suficiente para a ave se exercitar, colocar a ave na “gaiola hospital”, retirar sementes gordas e dar vegetais.

Bronquite: Perda de apetite, narinas obstruídas, bico aberto, rouquidão, a ave agitada e não canta.
Causas: correntes de ar, fraca renovação do ar, alterações bruscas de temperatura.
Tratamento: isolar a ave na “gaiola hospital” à temperatura de 30º, administrar antibióticos e vitaminas A e D.

Coccidiose: Ave com penas arrepiadas, sonolenta, sem apetite, diarréia de coloração desde o esbranquiçado ao vermelho, fraqueza, pele pálida, magreza e problemas na reprodução.
Tratamento: administrar medicamentos adequados a esta enfermidade, adicionados à papa ou na água. Existem nas casas da especialidade, vários produtos para prevenir e curar a coccidiose.
Prevenção: a coccidiose está diretamente relacionada com cuidados gerais de higiene, alimentação bem pensada, água limpa e mudada diariamente, manejo adequado ao tipo de criação, isolamento das aves doentes, realização de exames pelo Veterinário no caso de mortalidade acentuada.

Colibacilose: doença provocada por um agente bacteriano com variantes, umas sem causar males maiores, convivendo pacificamente no intestino da ave e outras pelo contrário são patogênicas e resistentes a antibióticos. Os sintomas tanto nos jovens como nos adultos manifestam-se por uma diarréia frequente e de cheiro intenso. As penas das fêmeas podem-se apresentar molhadas pela diarréia das crias, morte destas entre o 4º e 10º dia de vida.
Tratamento: Utilizar antibióticos adequados à doença com duração média de 10 dias, sendo que devemos complementá-lo com um bom complexo vitamínico após esse período.

Diarréia: Evacuação constantemente com fezes líquidas. Abdômen apresenta cor avermelhada.
Causas: fraca higiene no canaril e alimentação imprópria.
Tratamento: isolamento da ave na “gaiola hospital” e administrar um antibiótico adequado à base de Terramicina ou Aureomicina. Dar vitamina C e retirar todas as verduras e sementes negras ficando a ave só a comer alpista até o seu restabelecimento total.

Muda anormal: Mudança das penas fora de época, irregularidade na formação das mesmas com quedas frequentes.
Causas: mudanças bruscas de temperatura; excesso de calor ou frio; local muito úmido ou muito seco; correntes de ar; mudança de alimentação; stress; baixa luminosidade durante o dia; excesso de luminosidade artificial.
Tratamento: administrar diariamente uma papa de boa qualidade enriquecida com vitaminas e minerais.

Proventriculite: Inflamação do papo causada por fungos, é encontrada com grande facilidade nos canários de cativeiro muito povoados e com grandes déficits de higiene, provocando uma altíssima mortalidade nos jovens, em torno de 100%, normalmente entre 8 e o 9 dia de vida.
Tratamento: acompanhamento veterinário para a escolha do melhor medicamento e sua toxicidade. Os adultos não apresentam sintomas. O pro ventrículo apresenta-se cheio de alimentos não digeridos, na mucosa interna do órgão, uma secreção esbranquiçada que normalmente se encontra contaminada por infecções secundárias bacterianas.

Salmonelose: provocada por um grupo de numerosas espécies de bactérias que atingem todas as aves, principalmente os passiformes. Não existem sintomas específicos sendo alguns manifestados por asas caídas, olhos semi-fechados e uma dificuldade respiratória. Os jovens atingidos apresentam o abdômen inflamado, fezes de cheiro intenso e líquidas e por vezes aderentes à cloaca. A doença é mais comum nos adultos. Na forma aguda, a morte pode ocorrer de 1º a 4º dias. Fezes diarréicas e esbranquiçadas.
Tratamento: higiene do criador e desinfecção do ambiente muito rígida, pois, trata-se de uma doença comum ao homem e ao animal. Em animais mortos observa-se muitas lesões nos pulmões, rins, fígado., etc.

Stress: Ave assustada, sonolenta, abatida devido a alimentação imprópria ou excesso de antibióticos
Causas: sustos, barulhos repentinos no canaril, etc.
Tratamento: administrar vitaminas e eliminar os barulhos, as causas da fadiga, a deficiente alimentação, as mudanças de temperaturas e o excesso de parasitas.


Comedouro, bebedouro e banheira de porcelana para pássaros
Porcelana Criativa
Pedreira-SP
(19) 3893.2115 / 3852.2834

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário